#39 Representatividade em Viagens

Se o seu mochilão falasse, o que ele diria sobre representatividade nas viagens?

Bom dia galera! Sejam bem-vindos a mais um episódio do Se Meu Mochilão Falasse, o seu podcast de viagens preferido que tá aqui toda quinta-feira às 7 da manhã.

Eu sou a Mary Teles do Instagram @vidamochileira e junto comigo está a minha dupla de sempre Andrea Leonel do Instagram @andrealeonel_.

No dia 2 de junho de 2020 tivemos o movimento black out tuesday que teve como objetivo promover um momento de reflexão contra o racismo e a morte de pessoas negras.

E foi a partir desse movimento que eu e Andrea nos demos conta do quanto não sabíamos nada do assunto e que o que a gente sabia era muito superficial e não ajudava em nada o movimento antirrascista.

O tema de hoje fala sobre uma coisa que até então eu nunca tinha parado pra pensar: O quanto viajar é um privilégio e, em 99% dos casos, de pessoas brancas. Por isso, convidamos a Thais do Instagram @aventuras_casalblack pra falar sobre esse assunto com a gente.

Se o seu mochilão falasse, o que ele diria sobre representatividade nas viagens?

Oi galera! Lembrando que se você quiser falar sobre esse tema com a gente, estaremos te esperando lá no nosso Instagram @semeumochilãofalasse e, além disso, vamos deixar materiais complementares sobre esse assunto (como lista de instagrans de viagem, lista de livros e filmes) no nosso grupo do Facebook se meu mochilão falasse.

A gente resolveu fazer esse episódio desde janeiro mas com a situação do COVID acabamos não conseguindo fazer o episódio acontecer.

Com a questão racial explodindo nos Estados Unidos e todas as repercussões que esses eventos causaram, o tema acaba se tornando mais urgente. As viagens que eu fiz na minha vida me ajudaram a perceber aonde eu estou no ranking de privilégios.

Como mulher acabo ficando em desvantagem em algumas situações, como sempre falamos aqui. Mas tão importante como perceber a nossas situações de desvantagem, é também importante perceber a nossas situações de vantagem. Mas aí, você ouvinte branco me diz, mas eu não sou racista, eu acredito que todos somos iguais.

É preciso entender que o racismo não tem nada a ver com o que você acredita e sim com como você é lido pela sociedade. E se você é branco, você vai ser lido em posição de vantagem comparado a uma pessoa preta. E pior ainda, você branco sempre foi lido nessa posição de vantagem, desde criança.

E essa criação numa sociedade racista, acaba fazendo com que inevitavelmente tenhamos atitudes racistas. Como em um dia em que eu estava em Portugal e uma pessoa negra tentou passar numa catraca de trem comigo e eu logo o taxei como uma pessoa querendo burlar o sistema e não pagar o ticket. Quando no dia anterior, o meu amigo tinha feito a mesma coisa quando o ticket que ele comprou não funcionou.

Nesse dia, eu percebi o racismo no meu pensamento e refleti sobre da onde veio aquilo e a próxima vez que uma situação parecida acontecer comigo, eu não vou ter o mesmo pensamento.

E é por isso que é importante a gente se abrir pra enxergar o racismo na gente. Não pra questionar essa ideia de pessoa boa que a gente gosta de ter sobre si mesmo, mas pra mudar aos poucos o efeito de uma criação numa sociedade estruturalmente racista.

Por isso, fica o convite pros ouvintes brancos ir fazendo essa reflexão enquanto nós ouvimos aqui as experiências da Thais.

Tópicos abordados nesse episódio:

– Falar dos tipos de viagem que vocês fazem (low cost, de carro, pelo brasil…)

– Falta de representatividade no Instagram?

– Racismo em viagens (vocês já sofreram algum tipo de preconceito?)

– Vocês acham que os viajantes que vocês encontram nas viagens prezam e respeitam a diversidade e entendem os privilégios deles melhor que as pessoas que vocês convivem no dia a dia?

– Nós sabemos que existe um racismo estrutural na sociedade e que muitas vezes repetimos práticas racista mesmo sem perceber e acabamos por manter o sistema de privilégios brancos. Você enquanto viajante negra tem sugestões para que a indústria do turismo seja mais inclusiva?

– Dicas para os viajantes integrarem mais e melhor a diversidade racial?

– É um fato que pessoas negras tem menos privilégios que pessoas brancas. No entanto, dentro do contexto da nossa sociedade patriarcal acaba que as mulheres negras ficam no final da pirâmide sendo marginalizadas em muitas questões, o que acaba por não acontecer na mesma proporção com os homens negros, que apesar de sofrerem racismo também, acabam por ter o privilégio do gênero.

Vocês sentem que são tratados diferentes dentro do próprio casal?

– A viagem influenciou no processo de identidade racial de vocês? A viagem ajudou a entender o lugar de vocês no mundo?

– Falar sobre o racismo estrutural e velado

– Dicas para ajudar o movimento antirracista

Indicação de outros perfis de pessoas negras que viajam:

@aventura_casalblack

@viagempreta

@viajapreta_

@barbaraapedroso

@raizesdomundo

@thaisporai

@viajareumprazer

@ninaejosyporai

Indicação de filmes:

Documentário no Youtube vista minha pele

Olhos que Condenam

American Son

12 anos de escravidão

Coach Carter

Bem-vindo a Marly-Gomont

O menino que descobriu o vento

À procura da felicidade

Indicação de livros:

Pequeno Manual antirracista – Djamila Ribeiro

O que é lugar de fala – Djamila Ribeiro

Quem tem medo do feminismo negro – Djamila Ribeiro

Tornar-se negro – Neusa Santos

Encarceramento em massa – Juliana Borges

A nova segregação – Michelle Alexander

Convidada desse episódio:

Thais @aventuras_casalblack

Professora e viajante adepta às viagens de carro, Thais e o marido Francys percorrem o Brasil dando dicas de como viajar de carro de forma barata.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *